Início >> Notícia >> Categoria >> Geral >> Petistas-apostam-em-ataque-de-ex-ministro-a-Lula

Petistas apostam em ataque de ex ministro a Lula
Delação de Palocci era dada como certa por integrantes do PT

13/05/2017 às 10:32 13/05/2017 às 10:32

645

Publicada por: Francisco Silva
Fonte: O Estadão

A delação de Antonio Palocci é dada como certa entre petistas desde a semana passada. Na abertura da etapa paulista do 6.º Congresso Nacional do PT, na sexta-feira da semana passada, a “traição” do ex-ministro era um dos assuntos principais. Em tom que variava entre a indignação e a resiliência, petistas comentavam que Palocci iria entregar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em troca do acordo com o Ministério Público Federal. 

A certeza dos petistas vem de recados dados por pessoas próximas ao ex-ministro da Fazenda (Lula) e Casa Civil (Dilma Rousseff) e também pela lógica da exclusão. Segundo eles, Lula é o único alvo que a Lava Jato ainda não conseguiu alcançar e Palocci, dada a proximidade com o ex-presidente até bem pouco tempo atrás, poderia preencher lacunas que dariam mais solidez às denúncias contra Lula. 

A indignação dos petistas com o ex-ministro aumenta diante das suspeitas que pesam contra Palocci. Ao contrário do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto, preso por supostamente operar o esquema de caixa 2 do PT, Palocci é acusado de enriquecimento pessoal. 

Sob a condição de sigilo, petistas dizem que o ex-ministro quer preservar seu patrimônio, em grande parte acumulado no período dos governos do partido, ao tentar o acordo de delação premiada. 

Preso político. Mesmo assim o PT estadual de São Paulo aprovou um texto no qual Palocci, Vaccari e José Dirceu são tratados como “presos políticos”. Segundo dirigentes, foi uma tentativa de acalmar o ex-ministro. 

Dado o amplo acesso que Palocci tinha a Lula, correligionários avaliam que o estrago da delação será grande, podendo levar à inviabilização da candidatura do petista à Presidência em 2018. 

‘Não sei’. Já no entorno de Lula a torcida é para que o ex-ministro poupe o ex-presidente. Um ex-auxiliar do círculo mais próximo ao petista disse esperar que Palocci diga somente a “verdade”. 

E a “verdade”, segundo essa fonte, é que o “ex-presidente Lula sempre disse para ele cuidar desse negócio (de dinheiro para campanhas), que não queria saber de onde veio o dinheiro e que o PT que se virasse para financiar seus candidatos”. 

De acordo com interlocutores de Lula, Palocci e depois Guido Mantega foram encarregados de gerenciar o caixa 2 petista justamente para preservar e blindar o ex-presidente. 

Outra certeza petista é que a delação de Palocci vai ampliar muito o escopo da Lava Jato trazendo para o olho do furacão setores do empresariado nacional com quem o ex-ministro tinha grande proximidade e que até então passaram ilesos pelas investigações de Curitiba. O principal deles é o setor financeiro.

TRAJETÓRIA

Prefeito

Após ser vereador e deputado estadual, o médico Antonio Palocci elege-se prefeito do município paulista de Ribeirão Preto em 1992, sempre pelo PT, partido do qual foi um dos fundadores. 

 

Lula 

Palocci assume novamente a prefeitura de Ribeirão Preto em 2001 e fica no cargo até março de 2002, quando se licencia para coordenar a campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, substituindo o prefeito de Santo André, Celso Daniel, assassinado naquele ano.

 

Ministro 

Com a vitória de Lula, Palocci assume o Ministério da Fazenda em 2003. Em sua gestão, o ministro petista mantém as diretrizes macroeconômicas do Plano Real.

 

CPI dos Bingos

No início de 2006, Palocci é convocado a depor na CPI dos Bingos, suspeito de liderar esquema de superfaturamento de contratos de empresas de coleta de lixo durante a gestão dele na prefeitura de Ribeirão Preto. Três anos depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) arquiva inquérito instaurado contra ele. 

 

Caseiro

Em março de 2006, Palocci pede demissão após ser acusado de ter quebrado o sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa, que havia desmentido declarações do então ministro na CPI e confirmado a participação dele em reuniões com lobistas em Brasília. Em 2009, é absolvido neste caso.

 

Dilma

Palocci é escolhido coordenador da campanha presidencial vitoriosa da então candidata petista Dilma Rousseff em 2010. 

 

Ministro de novo

No governo Dilma Rousseff, Palocci assume o Ministério da Casa Civil em 2011. Apenas cinco meses depois, ele pede demissão do posto após denúncias de enriquecimento ilícito.

 

Lava Jato

Palocci é preso em setembro de 2016 na Operação Omertà, 35ª fase da Lava Jato, por indícios de irregularidades em suas relações com a Odebrecht. Agora, ele decide fazer delação premiada.

Publicado por: Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (1/2018) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969
VEJA TAMBÉM
Geral

PRF inicia operação integrada que vai durar todo o período de férias

época em que milhões de brasileiros pegam a estrada
Data 22/12/2017 às 20:58
Geral

Dia do Trabalhador é marcado por shows e manifestações pelo Brasil

SP tem shows de Zezé Di Camargo e Luciano, Bruno e Marrone e MC Guimê. Veja como foram as comemorações do 1º de Maio em 12 estados.
Data 01/05/2017 às 20:42
Geral

Receita acha carregadores de fuzil com peças de carrinho de bebê no Galeão

Carregadores de fuzil estavam escondidos com peças de carrinho de bebê
Data 18/02/2017 às 22:55
Geral

Polícias fazem operação contra tráfico de drogas em escolas em todo o País

A operação é a quarta realizada pelo Sistema Único de Segurança Pública (Susp), que reúne polícias de todo o país.
Data 13/11/2018 às 14:50
Geral

Dono de posto de combustível em Cuiabá é detido por aumento abusivo durante greve

De acordo com a Polícia Civil, a margem de lucro em cima do etanol era de 62%. Fiscalização também flagrou outro posto vendendo combustível com lucro de 70%
Data 30/05/2018 às 00:41
Geral

Carros apreendidos pegam fogo em incêndio no depósito da Sesdec

Vários caminhões do Corpo de Bombeiros foram utilizados na operação para apagar o fogo
Data 29/06/2018 às 08:04
Geral

Polícia Civil prende cunhado que se torna suspeito da investigação

Taina Carina, de 21 anos, estava grávida de oito meses, quando teria saído para cobrar pensão do ex-marido
Data 18/01/2018 às 17:10