Início >> Notícia >> Categoria >> Música >> Diplo-O-funk-e-quase-a-lingua-do-Brasil

Diplo: O funk é quase a língua do Brasil
O DJ americano, que produziu de Beyoncé a Pabllo Vittar, toca segunda-feira no Rio Music Carnival

12/02/2018 às 20:39 12/02/2018 às 20:39

552

Publicada por: Francisco Silva
Fonte: O Globo

RIO - Aos 39 anos, o texano Wesley Pentz pode dizer que chegou lá. Sob a alcunha de Diplo, ele já disputou o Grammy como produtor de discos de Beyoncé (“Lemonade”) e Justin Bieber (”Purpose”). Também produziu faixas de “Rebel heart”, de Madonna. E emplacou dois hits internacionais com seus projetos paralelos: “Where are Ü now”, do Jack Ü (duo que ele forma com o DJ Skrillex); e “Lean on”, do Major Lazer (grupo de música eletrônica que ajudou a fundar).

Ainda empresário e dono de seu próprio selo fonográfico, o Mad Decent, Diplo está no Rio. Ele é a grande atração da noite de hoje no Rio Music Carnival, festival que acontece em parceria com o Austro Music, selo eletrônico da Som Livre. O Rio é uma cidade que o DJ conhece musicalmente bem: um de seus primeiros sucessos como produtor, a faixa “Bucky done gun” (2005), da rapper cingalesa M.I.A., já tinha batidas tiradas do funk carioca. Foi Diplo também quem produziu músicas de Pabllo Vittar — os dois até aparecem juntos e se beijam no clipe de “Então vai”. Dias antes de embarcar para cá, ele concedeu a seguinte entrevista ao GLOBO, sobre o Brasil, as evoluções do funk, Anitta, Pabllo, “Despacito” e o poder do streaming.

Em 2007, você esteve no Rio, tocando no Tim Festival e no Multiplicidade, indo para bailes funk e produzindo o documentário “Favela on blast”, sobre a cena dos bailes. Quão importante para você foi esse período e a experiência no Rio?

Uau, que loucura, já tem 11 anos! O Brasil foi o lugar que me definiu como artista. Desisti de tudo e comecei a vir aqui — desisti do meu emprego, deixei minha casa na Filadélfia, resolvi que queria ser um escritor ou, melhor ainda, um músico/DJ. Hoje, parece que ainda estou nessa mesma onda que começou há tanto tempo. Não fiz uma pausa, apenas continuo aprendendo e tentando coisas novas como produtor.

Você ainda está atualizado com o que acontece com a música dos bailes no Brasil? O que acha do funk de São Paulo ou do funk de 150 batidas por minuto que apareceu ano passado no Rio?

É uma loucura ver como, em apenas dez anos, o funk tornou-se quase a língua do Brasil. Músicas como “Afronta é guerra” (do MC Jefinho, um clássico dos 150 bpm) são algumas das minhas favoritas do ano passado. É ótimo que agora, enquanto o resto do Brasil diz “nós temos o funk”, o Rio, onde ele foi inventado, diga “pois nós temos algo mais”. Isso mostra o poder dos produtores na favela de se adaptar e evoluir, seguindo como lançadores de modas. Claro que eu me lembro de quando o funk de São Paulo era tido apenas como moda passageira — agora ele é uma indústria completa. Lembro das primeiras músicas da MC Beyoncé e de como tudo isso mudou para algo mais polido (quando ela virou a Ludmilla). Quando eu comecei a tocar funk, lembro-me de que em São Paulo havia apenas algumas pessoas interessadas, mas tudo o que faltava era o rádio e a TV darem uma chance. Os MCs de São Paulo decidiram que o funk era algo em que poderiam entrar para fazer sua própria música. E eles continuam inovando.

Você ficou surpreso com o tamanho do sucesso de Pabllo Vittar? Dava para imaginar que ia ser tudo isso quando decidiu trabalhar com ele na faixa “Então vai”?

Nada me surpreendeu. O Brasil é muito avançado em relação à cultura gay, deveria ser um exemplo para o resto do mundo. Quando ouvi pela primeira vez a versão da Pabllo para “Lean On”, fiquei apaixonado e pensei: “Isso é incrível”. Eu estava próximo do DJ Gorky, do Bonde do Rolê, que eu lancei no meu selo, há muitos anos, e confiei em seus instintos. Decidi enviar uma faixa em inglês que pudesse funcionar musicalmente em português. E depois tentamos fazer com que “Sua cara” (faixa de Pabllo com Diplo e Anitta) fosse um grande acontecimento. Acho que conseguimos. Só estou feliz em fazer parte do movimento da Pabllo, ela é incrível. Enquanto os músicos LGBT revolucionaram os subterrâneos e definiram a indústria com uma influência que perdura por pelo menos 50 anos, ainda estou surpreso que nos EUA a única estrela pop gay seja Frank Ocean. No Reino Unido, eles têm 40 anos de grandes sucessos mundiais de artistas gays como Elton John, Freddie Mercury e Sam Smith.

Anitta é, até agora, a maior estrela que emergiu do funk. Você acha que ela pode ser grande no mundo?

Eu sempre digo para mim mesmo que Anitta deve encarnar o Brasil. Os EUA estão saturados de artistas pop, por isso é difícil para os novos nomes se imporem. Mas Anitta tem todo o Brasil por trás dela. O Brasil é seu sabor, e um sabor muito forte. Fico feliz que “Vai malandra” esteja aparecendo. Quando eu vi esse vídeo, senti que ele realmente representava o quão legal ela é e o quanto o Brasil é especial. É um vídeo muito sincero.

Dez anos atrás, você poderia imaginar que se tornaria o grande produtor de agora? Você mudou ou foi música pop mainstream que mudou e se tornou algo próximo do que você tinha em mente?

Ainda estou fazendo o mesmo. Acho que o mundo começou a me alcançar. Em breve, ele me ultrapassará e ainda assim ficarei feliz.

Quão importante é para a sobrevivência do pop americano e europeu manter ouvidos abertos para a música do resto do mundo? O que o sucesso de “Despacito”, por exemplo, nos diz sobre isso?

Eu acho que ele nos diz que existem muitos latinos que adoram ouvir música por streaming. O streaming tirou o poder das mãos das gravadoras e o devolveu ao povo. Tentei tirar proveito disso com meu som eletrônico também.

Onde está sendo feita a música do futuro?

Talvez bem aí no Brasil. Não refinada, sem remorsos e feita para as pessoas. E também ajuda o fato de os brasileiros terem tanta intimidade com a internet.

Publicado por: Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (1/2018) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969. CV: http://lattes.cnpq.br/4738070963523179
VEJA TAMBÉM
Mundo

Arábia Saudita finalmente permite que as mulheres dirijam

A medida, esperada há décadas pelas ativistas, entra em vigor neste domingo ofuscada pela prisão de várias delas
Data 25/06/2018 às 07:55
Esporte

Rondoniense vocês nos representam

Garra não faltou!
Data 21/04/2017 às 04:23
Esporte

Vilhenense parte na frente e vem de Bitcoin

Parceria Forte!
Data 07/11/2017 às 04:13
Música

MC Diguinho lança clipe de versão "light" de "Só surubinha de leve"

Funkeiro vem sendo alvo de críticas em redes sociais pelos versos originais da música, como 'Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua'.
Data 21/01/2018 às 22:30
Música

Anitta lança 'Vai Malandra' e volta ao funk

Faixa é a última música do projeto CheckMate, no qual a cantora previa lançar uma nova faixa com clipe por mês.
Data 18/12/2017 às 16:21
Esporte

Yonay da Luz desmente boatos!

Técnico segue firme no RSC
Data 22/01/2017 às 04:02
Esporte

Ele voltou!!

Supervisor de Futebol
Data 14/02/2017 às 05:06