Início >> Notícia >> Categoria >> Geral >> Como-a-guerra-da-Siria-virou-maior-crise-humanitaria-da-atualidade

Como a guerra da Síria virou maior crise humanitária da atualidade?
Primavera Árabe chegou à Síria em 2011, mas não derrubou ditador. Revolução popular evoluiu para uma guerra que soma 400 mil mortos.

08/04/2017 às 15:52 08/04/2017 às 15:52

713

Publicada por: Francisco Silva
Fonte: Jornal Nacional

Ao longo de seis anos, a guerra civil na Síria se transformou na maior crise humanitária da atualidade.

Em 2011, a Primavera Árabe chegou à Síria. A onda de protestos populares contra ditadores, que já atingia a Tunísia, Líbia, Egito, agora mirava também Bashar al-Assad. Mas, ao contrário do que aconteceu nos outros países, na Síria, o ditador não caiu. Assad reagiu com forte repressão. Parte da oposição pegou em armas.

A revolução popular evoluiu para uma guerra que não parou mais. Mais de 400 mil morreram, a grande maioria civis. Cinco milhões de pessoas fugiram para outros países.

Assad é um muçulmano da corrente alauita - minoritária no país. Os grupos rebeldes variam entre os mais moderados e os radicais e são, na maioria, da corrente sunita do Islã.

Em 2012, a Síria admitiu pela primeira vez que tinha armas químicas. O então presidente americano, Barack Obama, ameaçou usar força militar caso Assad ultrapassasse o que ele chamou de linha vermelha e usasse essas armas. 

Em 2013, a Síria ultrapassou a linha vermelha, fez um ataque químico na cidade de Ghouta, que era controlada por rebeldes. Mais de 500 pessoas morreram.

Obama pediu autorização ao Congresso para usar força militar contra a Síria, mas não conseguiu aprovação.

A guerra interna deixou a Síria em caos e o grupo terrorista Estado Islâmico - nascido no vizinho, Iraque - aproveitou para ocupar territórios sírios 

A partir daí, era o governo de Assad contra os vários grupos rebeldes e também contra o Estado Islâmico.

Em 2014, Barack Obama liderou a formação de uma coalizão para atacar o Estado Islâmico, que já controlava grandes áreas na região. Isso poderia ajudar Assad a se livrar de um dos inimigos dele. Por isso, muitos países não quiseram se envolver.

Em 2015, o governo de Assad estava enfraquecido. Além do avanço dos terroristas, os grupos rebeldes conseguiram tomar bases militares. Foi então que a Rússia entrou na guerra.

O governo de Vladimir Putin dizia que era para atacar os terroristas, como faziam outros países, mas logo ficou claro que a Rússia queria era ajudar Assad a recuperar o terreno perdido.

Até agora, os Estados Unidos não miravam em alvos do governo sírio. Lançavam ataques aéreos apenas contra os terroristas do Estado Islâmico e apoiavam os grupos rebeldes mais moderados para que eles atacassem o regime de Assad.

Mas essa estratégia não funcionou contra o ditador. O que funcionou foi a estratégia da Rússia. Com a ajuda dela, Assad conseguiu permanecer no poder e retomar áreas que já tinha perdido. Na ONU, a Rússia vetou várias vezes resoluções contra o governo de Assad.

A aliança com a Síria é antiga e vital para a Rússia no Oriente Médio - região onde a maior parte dos governos é alinhada com os Estados Unidos. Desde a década de 70, os russos têm um grande porto na cidade de Tartus, no Mar Mediterrâneo.

Após a Segunda Guerra Mundial, a então União Soviética ajudou a Síria a desenvolver suas forças militares e fez do país um aliado durante a Guerra Fria, quando disputava poder e influência com os Estados Unidos.

O professor de política internacional Fernando Brancoli explica que, ainda hoje, a Rússia disputa esse espaço com os Estados Unidos.

“Desde o final da Guerra Fria, a Rússia vem perdendo prestígio e influência no sistema internacional. E essas ações militares, seja na Ucrânia, seja na Crimeia e agora na Síria, é uma forma, um trampolim para a Rússia mostrar que ainda é um ator relevante, que ainda tem capacidade de atuar internacionalmente com força e de que qualquer movimentação importante nessa região necessariamente precisa da Rússia. Pra Rússia, não é interessante a queda de Bashar al-Assad e ela certamente vai fazer as movimentações para impedir qualquer tipo de situação nesse sentido”, diz o professor de política internacional – UFRJ.

Publicado por: Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (1/2018) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969
VEJA TAMBÉM
Geral

Governo de Rondônia e prefeituras não terão feriadão

Justiça Federal vai parar também na sexta-feira
Data 01/11/2017 às 20:00
Geral

Cinco mortos em queda de avioneta junto ao Lidl em Tires

A aeronave caiu sobre um camião que descarregava junto ao supermercado Lidl, em Tires.
Data 17/04/2017 às 14:39
Ciência e tecnologia

Estamos sozinhos no Universo? Três acadêmicos de Oxford concluem que provavelmente sim

Se existem bilhões de possibilidades de existência de outras civilizações inteligentes, por que nenhuma foi detectada? Um novo estudo procura dar essa resposta.
Data 01/07/2018 às 21:07
Esporte

Porto Velho poderá sediar a primeira fase da Copa de Seleções Estaduais Sub 20

Quatro Seleções em PVH
Data 31/10/2017 às 02:26
Geral

Golpistas clonam contas de WhatsApp para pedir dinheiro a contatos

Esquema tira do ar celular da vítima, assume conta e envia mensagens. Por mensagem, golpistas pedem transferências bancárias a amigos e família.
Data 13/02/2017 às 05:44
Geral

Cadastramento registra 420 duplicidades em Rondônia

Segundo o responsável pela secretaria, uma única pessoa foi encontrada com 52 títulos de eleitor.
Data 11/10/2017 às 21:52