Início >> Notícia >> Categoria >> Geral >> Cineasta-se-inspira-na-espiritualidade-negra-para-falar-de-resistencia

Cineasta se inspira na espiritualidade negra para falar de resistência

Imagem não disponível

Keila Serruya apresenta em Belém seu trabalho inédito, ‘De gira e mato’, que será projetado na fachada do Palácio Antônio Lemos. ‘Cinema é para estar na rua’, diz.

160

Francisco Silva 25/11/2017 às 09:12 25/11/2017 às 09:12

A tradição da espiritualidade amazônica, um misto de pajelança indígena e ritos negros, sua relação com a força da natureza e a sua presença na formação da identidade cultural no povo daquela região permeiam a artista visual e cineasta Keila Serruya. Natural de Manaus, capital do Amazonas, ela conta que “esses signos do povo preto” atravessam sua produção e inspiraram a obra “De gira e mato”, que ela apresenta em Belém no próximo sábado (25), no Festival Amazônia Mapping (FAM).

O vídeo traz a experiência de um banho de ervas, tradição ligada à purificação do corpo e espírito. O trabalho, pontua a artista, traz referências pessoais e familiares. “Sou negada, em diversas instâncias, quando não sou invisibilizada, sou exotificada. Toda essa conjuntura de violências me enche de desânimo, acredito que tá na hora de limpeza dos males, um banho que ajuda a resistir e continuar existindo. Os banhos com plantas de poder sempre foram algo muito presente na minha vida, a sabedoria milenar que me fez ser eu e ainda estar viva”.

“O cinema é meu canal de fala, minha ferramenta de luta e esse trabalho é um expurgo de muitos males pessoais e coletivos. Ele ainda é processo, mas conta algumas coisas sobre os meus, sobre mim e minha cura”, revela.

O “De gira e mato” começou a ser desenvolvido depois do convite FAM, e será apresentado a céu aberto, na fachada do Palácio Antônio Lemos. Para Keila, a experiência de expor seu trabalho em dimensões gigantescas a estimulou a realizar a nova obra e ampliou sua percepção sobre novas plataformas.  “Há vários teóricos que dizem que cinema é só em sala escura. Quero é praça, terminal de ônibus, quero outros lugares. Cinema pode existir em diversos espaços”, diz Serruya.

Além de Keila Serruya, outros artistas irão ocupar a fachada do Palácio Antônio Lemos na noite de sábado (25). Ricardo Cançado (MG), o VJ Eletroiman, projeta a obra “Geometria Sagrada”, uma jornada visual que parte da filosofia mística para discutir a relação do homem com o cosmos e com a natureza. Nando Lima (PA), artista multimídia, performer e diretor teatral, apresenta “Amazonian Dark Earths”, uma narrativa distópica sobre o futuro da floresta. Lucas Bambozzi (SP) apresenta o projeto “Multidão”, que retrata pequenas multidões em atos de representação política em relação às particularidades do local onde é exibido.

Shows

Além das projeções das obras audiovisuais e mapeadas, o festival terá shows. O Strobo será uma das atrações musicais do FAM, e alia à música instrumental uma roupagem pop, com influências do jazz ao carimbó. Aíla traz ao FAM o novo formato do show “Em Cada Verso Um Contra Ataque”. Ao lado do baterista Arthur Kunz e do multi instrumentista João Deogracias.

A Orquestra Pau e Cordista de Carimbó também se apresenta no Festival. Imersa em toda diversidade instrumental do ritmo mais marcante do Pará, a banda traz curimbós, recos de bambu, milheiros, matracas, maracas, caixas de rufo, pandeiros, triângulos, banjos e sopros originais do carimbó.

A noite traz ainda a poética de resistência de Shaira Mana Josy e Ádrian Lima, dupla que integra o Slam Dandaras do Norte, grupo que reúne mulheres e suas narrativas artísticas e de militância periférica e negra.

Idealizada e realizada pela 11:11 Arte, Cultura e Projetos, a edição 2017 do Festival Amazônia Mapping conta com patrocínio da Vivo via Lei Semear, do Boulevard Shopping, via Lei Tó Teixeira, e com parceria do Museu do Estado do Pará (MEP).

Serviço

Festival Amazônia Mapping 2017.

Apresentações artísticas na área externa do Palácio Antônio Lemos (Praça Felipe Patroni), sábado, 25, a partir das 18h. Programação gratuita.

imagem

Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (1/2018) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969
VEJA TAMBÉM
Geral

Artistas locais realizam Festival Frequências da Oca em Ariquemes, RO

Festival de música reunirá 8 bandas e artistas solo e é aberto ao público. Evento acontece no final de semana, na Praça da Vitória.
Data 07/09/2017 às 20:42
Geral

Em 26 de fevereiro, eclipse solar no Brasil

Só que pena que será apenas eclipse parcial, quem tiver na Argentina verá total
Data 17/02/2017 às 07:36
Música

Vídeo mostra acidente que matou ex Cavaleiros do Forró Eliza Clívia

Ônibus atingiu em cheio carro ocupado por cantora e marido, que morreram no local.
Data 18/06/2017 às 01:56
Música

BBB 18: Paulo Ricardo altera música de abertura do programa pela sexta vez

A música “Vida real” ganhou batidas eletrônicas, sintetizadores, uma voz mais sussurrada de Paulo Ricardo e ares futuristas
Data 23/01/2018 às 18:59
Música

Jerry Adriani morre aos 70 anos no Rio

Ídolo da Jovem Guarda, cantor estava internado no Rio
Data 24/04/2017 às 22:39
Geral

Fábio Assunção diz não ter usado drogas após ser detido pela polícia

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o artista, visivelmente alterado
Data 25/06/2017 às 17:31
Música

George Michael morre aos 53 anos

Estrelas e personalidades do mundo da música prestaram suas homenagens ao cantor
Data 27/12/2016 às 17:47
Ciência e tecnologia

Google Assistente agora é capaz de reconhecer a música que está tocando

A novidade está disponível no momento apenas para um reduzido número de pessoas que já possuem o Google Pixel 2 de forma antecipada
Data 05/10/2017 às 22:32