Início >> Notícia >> Categoria >> Mundo >> Arabia-Saudita-finalmente-permite-que-as-mulheres-dirijam

Arábia Saudita finalmente permite que as mulheres dirijam
A medida, esperada há décadas pelas ativistas, entra em vigor neste domingo ofuscada pela prisão de várias delas

25/06/2018 às 07:55 25/06/2018 às 07:55

290

Publicada por: Francisco Silva
Fonte: El País

Finalmente chegou o dia. A partir deste domingo, a Arábia Saudita permite que as mulheres dirijam. Nove meses após o rei Salman suspender a anacrônica proibição com um decreto real, as sauditas sentarão ao volante. “Vou dirigir. A qualquer lugar. De forma aleatória. Quero saber como é a sensação de conduzir de forma legal”, responde exultante Hatoon al Fassi quando lhe perguntam sobre seus planos para este dia. No entanto, a detenção de várias ativistas que, como ela, lutaram para conseguir a mudança, mancha a iniciativa e levanta dúvidas sobre a profundidade da reforma promovida pelo filho e herdeiro do monarca, o príncipe Mohamed bin Salman (conhecido pelas iniciais MBS).

IFrame

“Isso significa muito para nós. Vamos assumir as rédeas de nosso destino”, afirma Al Fassi, professora universitária e veterana ativista dos direitos da mulher, após trocar sua carteira de habilitação de um país vizinho pelo novo documento saudita. Outras se prepararam nas autoescolas (só para mulheres) que funcionam desde março.

A mudança vai muito além do simples fato de poder sentar ao volante. A proibição limitou a mobilidade das mulheres num país sem um transporte público digno desse nome (o metrô de Riad ainda não foi inaugurado) e dificultou sua entrada no mercado de trabalho, embora a preparação delas seja, em média, superior à dos homens. É um desperdício de talento que o Reino do Deserto não pode continuar se permitindo.

Foi o que reconheceu o príncipe Mohamed, a quem é atribuída a decisão. MBS promove um ambicioso programa de reformas para superar a dependência do petróleo, o que exige a modernização da sociedade e a redução da influência do clero (bastião das posturas mais conservadoras, mas também fonte de legitimidade da monarquia). Um dos objetivos de sua Visão 2030 é conseguir que, este ano, as mulheres sejam 30% da força de trabalho (hoje são 10%). Daí a necessidade de acabar com a proibição de dirigir.

Os analistas já calculam os benefícios. Esperam que a medida abra o mercado de trabalho para as mulheres. Algumas já se inscreveram nos programas de plataformas de transporte como Uber e Careem, em busca de emprego. Logo de cara, a eventual redução do número de motoristas particulares terá um impacto positivo no orçamento de muitas famílias. Os analistas também preveem que a medida estimule a venda de carros e o setor de seguros.

“Mal posso esperar pelo momento. Sinto que vou chorar. Estou convencida de que será algo muito emotivo”, diz N., a saudita que há três anos conduziu esta correspondente pelas ruas de Riad. Tirou carteira nos Estados Unidos, quando estudava Medicina. No entanto, em seu próprio país, essa prestigiosa profissional em cujas mãos muitos sauditas confiam sua saúde e até mesmo suas vidas, era proibida de dirigir até este domingo, e ainda continua sob a tutela formal de seu esposo. “Não tem sentido”, constata. O fato de que seja mantido o ominoso sistema de tutela gera dúvidas sobre a profundidade da mudança. Para muitas sauditas, pouco adianta terem direito de dirigir se continuarem precisando da autorização de um homem (pai, marido, irmão ou filho) para ir à universidade, renovar o passaporte e viajar ao exterior.

Elas veem com preocupação a recente prisão de 17 ativistas (incluindo três homens) que há anos fazem campanha pelo direito de dirigir e pela abolição da tutela. Nove mulheres, entre elas as veteranas Aziza al Yousef, Iman al Nafyan e Loujain al-Hathloul, continuam presas acusadas de crimes muito graves, incluindo o de “traição”, que, além de serem punidos com penas elevadas, buscam abalar sua reputação, segundo várias ONGs internacionais. Seu caso preocupa o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos.

As autoridades do reino parecem temer que o ativismo das mulheres se estenda a outras reclamações. Desde o início, deixaram claro que a suspensão da proibição de dirigir era uma concessão real, não um direito conquistado. Não houve nenhum reconhecimento às numerosas sauditas que durante três décadas fizeram campanha para consegui-la. Ao contrário: pediram-lhes silêncio.

Publicado por: Francisco Silva

Proprietário da web Rádio Amazônia Central, Acadêmico em sistemas de informação 8º período (1/2018) e Editor de imagens. WhatsApp (69) 9 9283-9969. CV: http://lattes.cnpq.br/4738070963523179
VEJA TAMBÉM
Ciência e tecnologia

Até domingo Porto Velho tem Campus Party

O maior evento de tecnologia no mundo pela primeira vez na região norte do Brasil
Data 02/08/2018 às 10:46
Música

MC Diguinho lança clipe de versão "light" de "Só surubinha de leve"

Funkeiro vem sendo alvo de críticas em redes sociais pelos versos originais da música, como 'Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua'.
Data 21/01/2018 às 22:30
Música

Músicas do gênero sertanejo lideraram em 2016

Eduardo Costa tem a música mais tocada nas emissoras do país no ano passado, 'Pronto Falei'
Data 04/01/2017 às 18:08
Geral

Gisele Bündchen pede união contra assédio e desmatamento na Amazônia

Modelo abandonou se aposentou em 2015 para poder associar-se a militância de gênero e ambiental
Data 23/04/2018 às 07:55
Música

Luan Santana causa polêmica na internet após lançamento de nova música

'Deus fez a mulher de uma costela do Adão, quando foi fazer você, fez do filé mignon', canta ele em 'Check-in'
Data 11/12/2017 às 15:48
Cultura

Miss Brasil Be Emotion 2019 é Júlia Horta de Minas Gerais

Júlia Horta, 24 anos, jornalista e apresentadora, é a Miss Minas Gerais
Data 10/03/2019 às 00:07
Geral

Pastor deixa mulher paraplégica após arremessá la no chão de igreja

O pastor disse que iria curar a fiel e jogou no chão, deixando ela paraplégica
Data 03/04/2018 às 11:53